Arquivo da tag: Concelho de Vigo

Portanet, o exemplo de anti-governo

Rafael Portanet entrou na corporação municipal em 1938, ainda fumegando as pistolas dos camisas azuis. Que lhe quitem “o bailao”: os alcaides e procuradores da ditadura recebem hoje em dia todas as honras de qualquer instituição títere, como a Real Academia Galega.
Alcaide de Vigo de 1964 até 1970. Foi o exemplo de anti-governo. Levantava-se cedo, percorria a cidade em carro oficial e anotava os buracos a reparar. Logo se encerrava na casa do concelho para dar ordens. Naquela época (e no que lhe resta à atual) não se podia pensar que é um governo mais barato e eficiente perguntar às vizinhas quais são as suas necessidades, e ainda deixar que elas governem e arranjem as suas vidas. Naquela altura, e hoje, o sistema funciona expropriando os recursos e rendas das gentes, deixa-lhes (não sempre) uma pequena parte para sobreviver, e da-lhes logo uma ínfima parte em serviços após o passo por todos os filtros prévios da administração e os lobbies de interesses insustentaveis e porém necesitados dum “empurrãozinho” dos Orçamentos Gerais.
Entre esses lobbies estão a Zona Franca que o Ditador lhe “regalou” à cidade como cabeça de ponte da devastação capitalista. Portanet foi o seu Delegado desde 1947. Dela veio a fatoria de Citröen, à que lhe restam ainda dous telejornais antes de fechar, passo prévio por Marrocos. O outro lobby insustentável é o Celta com o estádio municipal pago e mantido com os nossos impostos, recortes e comedores de urgência para crianças e pessoas adultas, dos que ainda se reclamarão 8 milhões de euros para uma nova reforma do estádio. Não está prevista a devolução desse dinheiro por parte de Celta de Vigo SA. Já toca um pouco os genitais isso de que o investimento reverterá em novos investimentos e facturação de interesse comum. O mito dos anjos que passam com a cornúpia de ouro, como o da mão invisível.. tudo para roubar a soberania das pessoas começa a ser já cousa de tolos e alucinados. Aqui as únicas que receberão negócio são as tevês que compraram os monopólios de emissão. A propósito, de baixar o Celta a segunda, como aconteceu em 2004, quando também estava na Champions, todo esse “investimento” evaporara-se. Negócio mais especulativo, insustentável e fedorento não há.
O estádio “municipal” e Citroen colapsaram a paróquia de Balaidos, e produziram a desviação, soterramento e enmerdado do Rio Lagares, o verdadeiro símbolo e origem da cidade. Os vizinhos poderam abrir uns quantos bares e vender à especulação imobiliar: que não se queixem. O seguinte alcaide, Antonio Ramilo, outro candidato ao Dia das Letras Galegas, abriu uma avenida sempre atoada que cruza em forma de T com Castrelos, cuja destrução ou tunelação prevista já era demasiado inri, e ficou aí. O nome, para bacilar foi “Avenida Alcaide Portanet”. Depois, Carlos Príncipe para bacilar ainda mais chamou-lhe “Avenida de Citroen”.
Rafael Portanet pasou já em vida à História Mítica de Vigo criada polos lobbies marulos como esse alcaide machote e campechano que Vigo sempre quis, um Paco Vázquez do sul. Até tal ponto acreditou no seu papel que lhe deu o ponto regionalista e exigiu aos governadores de Franco que “não viessem à Galiza só a comer marisco” e que destruíssem a comarca com mais indústrias. Coitado. A elite marula de Vigo só está aqui para dizer amen. Foi fulminantemente cessado em 1970 quando o trepa-Ramilo lhe fez a cama. Mas a igreja não desampara os seus fieis: a salvação é eterna. Portanet foi depois procurador nas cortes de Franco junto outro ex-alcaide chamado Filgueira Valverde. E como ele, logo reciclado por AP, posteriormente PP. No seu caso como deputado.
Quando foi o 23-F e Tejero entrou no Congresso disparando pistolas, o cheiro a pólvora deveu lembrar-lhe o de 1938, e os familiares dos passeados em Vigo baixando as caras ante ele… Foi muito e retirou-se da política para dar pungentes beijaços e apertas excessivas e não solicitadas apenas aos seus netos e netas.

A foto do vômito

A foto do vômito

A empresa Eurofund tem um plano complementar para devastar e rapinar o monte de Cabral. Para além do suborno à corporação municipal e ao governante PPSOE, quer ter uma imagem limpa e inclusive caritativa. Deste jeito vendem a Vigo que são as novas irmãzinhas da caridade, após que as do Bairro do Cura foram enviadas ao quinto pino.
Minutos depois de se reunirem com a máfia marula do auto-denominado “clube financeiro”, fumarem lá uns charutos, tomarem uns brandis, e botarem umas risas com os amos da aldeia enquanto desenham como vai ser o seu Vigo, foram tirar uma foto com o presidente da Confederação Galega de Pessoas com Deficiência.
Não estenderam um cheque, nem domiciliaram recibos por valor de 20 euros como fazem outros: a sua apertada agenda não lhes permitiu mais que a foto. Por isso outros colectivos de exclusão social (imigrantes, indigentes, doentes…) que eles denominam dentro das suas reuniões como “pobretões” não puderam ter a honra de se fotografar com eles, com os Amos.
Não tinham tempo para mais.

Carmela Silva é a crack de Vigo (e isso há que pagá-lo)

Carmela Silva é a crack de Vigo (e isso há que pagá-lo)

A hiper-estrela do consistório vigués, Carmela Silva, acaba de acumular um novo cargo aos oito que já tinha.
– Secretária Segunda do Congresso dos Deputados
– Vogal da Deputação Permanente
– Vogal da Comissão de Fomento
– Vogal da Comissão de Educação e Desporto
– Secretária Segunda da Comissão de Regulamento
– Vice-presidenta da Câmara Municipal de Vigo.
– Concelheira de Urbanismo
– Concelheira de Cascos históricos
– Concelheira de Patrimônio
– Concelheira de grandes projectos

Desde hoje é também Concelheira de Economia e Facenda.
O total da sua remuneração entre salários, dietas por assistência e alojamento não baixa dos 400.000 euros por ano.
Para além disso, imaginem a quantidade de pessoas assessoras, técnicas etc que há que pagar para que façam o trabalho real.

São vocês ruins ao não quererem reconhecer o evidente: a imensa fortuna que temos os vigueses e viguesas de ter uma pessoa mais preparada que Filipe Borbom para a gestão dos assuntos do Estado.
E acaso pensam vocês que isso é grátis? Carmela Silva podia estar no mercado laboral ganhando dez vezes mais, e só polo seu amor incondicional a Vigo e aos cidadãos ela está a se sacrificar por todos nós fazendo um impagável labor de coaching. Como disse há quatro anos, ela está no Congresso “animando a los españoles”.

Que bom que esteja também em todos os cargos de Vigo para nos dar ânimos. Sem ela estaríamos deprimidas, e esta cidade seria infernal.

 

Não se equivoque, Alcaide

Abel Caballero continua o seu teatro. Se antes era Romeu namorado de Julieta-PP apesar dos lustros de inimizade das famílias, agora quer converter-se no personagem que vende a sua alma ao diabo em favor de Vigo.
O clássico da literatura universal entregou a Satanás a sua salvação eterna em trocas de algo que considera superior: o amor da sua namorada. Que salvação e que felicidade pode ter quem não tem o amor da sua vida? A nobreça e humanidade do acto emociona,..
Mas também há quem faz o pauto-do-demo movimentado polo desejo de obter êxito na sua vida terrenal: nos negócios, no poder… Aqui nos vamos aproximando mais ao papel (ou papelão) de Abel Caballero.
Não se equivoque, Alcaide: você não vende a sua alma em trocas de um interesse superior. Você vende Vigo aos satânicos especuladores e depredadores para se manter no poder.
Você acreditou no conto de que a “recuperação” está aí, à volta da esquina enquanto na sua cidade cada vez são mais os que sofrem e ficam sem futuro.
Você acreditou no conto de que Vigo é uma cidade só industrial, e consente na destruição do futuro do nosso rural e da nossa beira-mar.
Você acredita na Grande Epopéia Viguesa, que como a Conquista do Far West está cheia de mitologia e mentiras. Não foi um Vigo empreendedor e trabalhador quem levantou o capitalismo na cidade. Foi uma camarilha privilegiada por Franco e que trocou entre ela favores e financiamento, com o seu amigo Gayoso como diretor de orquestra, e que converteu a nossa cidade numa sucursal do afundido capitalismo espanhol e o abalante capitalismo francês.
Não nos venda Alcaide. Deixe viver a gente que mora na grande parte do território de Vigo. Deixe que continuem as suas vidas. Talvez os necessitemos para lhe dar à cidade um futuro verdadeiramente sustentável.

O Bairro do Cura. O primeiro fruto do matrimônio municipal

O Senhor abençoou este Domingo de Páscoa ao matrimônio PP-PSOE de Vigo com o primeiro dos muitos frutos que virão. A Junta acaba de dar luz verde à demolição de prédios históricos do Bairro do Cura, entre eles o Asilo, cuja fachada será colocada como um dos muitos pastiches da cidade, mas desta volta bem longe, que é preciso borrar da memória o facto de que houve um dia que idosos desamparados foram ali atendidos.
Junto à fachada irão detrás os moradores que ainda ficam alá. Não tenham dúvida de que o Senhor Alcaide lhes há procurar um acomodo num lugar bem em correspondência com a sua baixa categoria social. Que o Bairro do Cura ficou convertido em centro “não histórico” e ali apenas gente com alto poder de consumo, guapa e com muita classe deve morar que para isso somos uma “cidade fermosa”.
Quê caralho importam quatro pedras velhas em trocas de um novo e mega-guay centro comercial? Pai-Natal Karpin também virá com mais superfície de passeio (beirarrúa na neo-língua) na abarrotada rua Afonso XII, e uma passagem para carros que conectará a congestionada rua Torrecedeira com o centro urbano, a onde todo o mundo em Vigo sabe que os carros devem ir.
Olho que o Alcaide é socialista. Por isso algumas das 2500 moradias de luxo e com vistas ao porto pesqueiro (onde os guapos moradores poderão olhar os torsos despidos dos marinheiros) serão para pobretões: dessas VPO que já ninguém constrói nem compra em todo o Estado. Não se preocupem que não se descarta que Telmo (o do PP, não o do Puti-Club, que este é um matrimônio como Deus manda) se ocupe desse mester, e com umas cozinhas mega-luxury e outros “complementos” obrigatórios que impeçam que chegue ao novo Bairro do Cura algum indivíduo/a indevidamente penteado.
Graças por fim ao nosso ex-alcaide Castrillo, que compreendeu que a habitação e o desenvolvimento da cidade não devem ser alheios ao mundo dos negócios.
Graças ao Faro de Vigo e à nossa burguesia marula por pressionar nos trâmites administrativos deste projecto “lastrado por lentitud burocrática”.
Graças à nossa gauche divine. Eles melhor que ninguém sabem que a gente morar em bairros humanos e tradicionais por auto-sustentáveis, vai em contra do progresso económico e o crescimento ilimitado ao que nos temos que enganchar. Sorte que eles estão aqui para nos fazer ver que Rajoi está certo: Espanha vai como um foguete.

Mais info do PT de Vigo sobre o tema: https://www.facebook.com/partidodaterradevigo/photos/a.187708534700632.44115.181889275282558/364339597037524/?type=1&theater